sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Liberdade.

Foi quando senti as gotas caindo em meu rosto que percebi - elas não me feriam mais. Parei no meio da rua e olhei para o alto, fitando o céu cinzento e sentindo cada gota de chuva escorrer pela minha pele e lavar a minha alma, levando consigo cada mágoa e cada ressentimento. Meu cabelo grudava em minhas costas, a camisava colava em meu corpo e o sorriso que brotou em meus lábios foi, pela primeira vez em um bom tempo, absolutamente espontâneo. Meu coração parecia inteiro, livre. As batidas não acompanhavam mais o ritmo daquele coração - faziam o seu próprio ritmo, esperando aparecer a melodia que se encaixaria suavemente na sua. As pessoas me encaravam como se eu fosse louca... Mas, por algum motivo, eu não me importava. Ri - um riso limpo, puro, sincero - baixei a cabeça e segui meu caminho, atrasando cada passo, aproveitando cada respiração.

Então essa é a sensação de viver.


[Para ler ouvindo Candles - Hey Monday]

"Blow the candles out
Looks like a solo tonight
But I think I'll be alright..."

("Apague as velas
Parece que estarei só essa noite
Mas eu acho que vou ficar bem")

4 comentários:

Sam disse...

Post feliz \o/
Que lindo, minha estrelinha voltou a brilhar *-*
Vai chover muuuuito hoje. Mas eu sempre gostei de chuva =)

G I L B E R T O disse...

T

Mais um texto belissimo, despregrado feito uma pele de sua alma, mon ami!

Lindo e lindo!

E que a liberdade nos abençoe a todos, pois até o respirar é mais delicioso quando o se faz dentro da plenitude da liberdade...

Hosana Lemos disse...

sensação única, não éh?!
;)


bjos

G I L B E R T O disse...

T

Passando para deixar um abraço!

Beijos!

Estejas bem!