domingo, 6 de março de 2011

"This night is sparkling, don't you let it go..."

- Acho que já está boa. - O garoto afirmou, atravessando a cozinha e girando o botão do fogão até que o fogo, já baixo, deixasse de existir.

A verdade é que ele não fazia ideia, mas queria fazer de conta que sabia alguma coisa... Só para impressionar a garota que sentava-se no banquinho de metal do outro lado do aposento, sorrindo-lhe enquanto ele levava a pipoqueira para a pia. Dizer que ele era inexperiente na cozinha seria um eufemismo ridículo para a realidade - ele não se lembrava da última vez que tocara uma panela. Descuidado, puxou a tampa - o bafo quente lhe queimou os dedos e ele gemeu, dando um passo involuntário para trás.

- Cuidado! - Advertiu a garota, levantando-se do banquinho e aproximando-se, um meio sorriso plantado em seus lábios... Provavelmente porque ele era tão, tão desajeitado. - Isso queima.

- Percebi. - Resmungou o garoto, jogando a tampa de qualquer jeito na pia. Ela ainda sorria. Ele não conseguia se manter sério.

Virou a panela devagar sobre a tigela transparente e a pipoca despejou-se, obediente, dentro da mesma. Ele sentiu-se ligeiramente vitorioso - aquela era, provavelmente, a primeira coisa certa que ele fazia! Um milho estourou tarde, pulando diretamente da panela para o seu pé descalço. Ele  gritou, frustrado, soltando a panela e praguejando. A garota curvou-se, tentando continuar de pé apesar do acesso de risos que lhe envolvia.

- Não ria! - Ele mandou, emburrado, amaldiçoando mentalmente o maldito milho atrasado. Não obteve sucesso. - Está doendo, sabia?

Ela não pareceu se importar com o seu drama. Ele então aproximou-se, beliscando-lhe a cintura por sobre a camiseta. Ela riu. Ele também. E eles valsaram desajeitadamente pelo cômodo, enquanto ele tentava alcançar a cintura dela e ela buscava uma forma de segurar as mãos dele. Terminaram abraçados, entre risos e beliscões. Voltaram para o sofá, para qualquer que fosse o programa que estava passando na televisão - ele não saberia dizer.

- Feche os olhos. - Ela mandou, um sorrisinho sapeca brilhando em seu olhar, uma pipoca segura firmemente entre seus dedos. Ele reclamou. Ela repetiu. Ele obedeceu.

Esperou a pipoca. Ganhou um beijo gelado, com gosto de Coca-Cola e um quê de inconsequência - de algo que nenhum dos dois sabia se era certo, mas que ambos sabiam que era bom. Abriu os olhos... Riram. Ela aninhou-se em seu abraço. Ele não saberia dizer o que estava passando na televisão.


"Kiss me beneath the milky twilight
Lead me out on the moonlit floor
Lift your open hand
Strike up the band and make the fireflies dance
Silver moon's sparkling
So kiss me..."

(Kiss me - New Found Glory)

4 comentários:

Renata disse...

Provavelmente uma das coisas mais ADORÁVEIS que eu já li.
apaixonante! ^^

- disse...

Eu já passei por isso, mas ver o fato sendo narrado por mãos habilidosas como as suas é mais surpreendente.
Se você escrever um livro eu compro. rss'

Fernanda Zanol. disse...

que lindooo! Como disse a Renata, APAIXONANTE.

Ah, e prometo ficar bem. Obrigada mesmo pela força ;)

bjobjo.

Thaís disse...

Adorei o conto. É a típica cena de casalzinho apaixonado que eu gostaria que acontecesse comigo algum dia, haha. Adorei o fechamento do post, é uma das minhas músicas preferidas. *-*