domingo, 13 de junho de 2010

Fugindo da torre

A garota franziu a testa, segurando o pequeno quadradinho de papel firmemente entre as pontas dos seus dedos e puxando-o para fora da mochila. Encarou-o, curiosa. Ele definitivamente não estava ali quando ela abriu a mochila pela última vez. Sem muita certeza, puxou a aba do envelope para cima e tirou de lá um pedacinho de papel dobrado.

Por que seu coração estava batendo tão rápido? Desfez as dobras do papel rapidamente e encarou as palavras ali escritas.

Eu sei... Você está presa na mesma torre há tanto tempo que já nem sabe mais como pular a janela e ver o sol se pôr. E sei que não tenho o direito de esperar que você queira sair daí e vir comigo... Mas eu espero. Então, que tal você esquecer que eu não tenho um cavalo branco e uma espada encantada, que não sou nobre e corajoso, que não sou perfeito... E vir comigo?

Prometo que não vai ser fácil... Vamos ter desafios a vencer todos os dias, vamos brigar e ter ciúmes, vamos sentir saudades e, mais de uma vez, vamos nos perguntar se fizemos a escolha certa ao trocar a nossa liberdade pela presença um do outro. Mas também prometo que não vamos nos arrepender - cada sorriso vai valer a pena, em cada abraço você vai ver que se encaixa perfeitamente entre meus braços, todas as brigas vão terminar em "eu te amo".

Que tal pular a janela agora? Estou te esperando aqui embaixo... Prometo não te deixar cair.

Ela sorriu, jogando a mochila no ombro e guardando cuidadosamente o bilhete no bolso. Sem falar nada, atravessou a porta da sala e permitiu que o garoto que lhe esperava do lado de fora passasse a mão pela sua cintura e caminhasse ao seu lado.

- Ei... - Disse, baixinho, quando alcançaram o pé das escadas. - Eu também te amo.

2 comentários:

Rafa Cullen disse...

Own, que lindo, Ursinha *o*
Seus textos me encantam *-*
Love u ♥

Rebeca Rocha disse...

Como sempre, perfeito!