sexta-feira, 25 de novembro de 2011

"Why is it over?"

O que torna os finais tão doídos não é o que vai, é o que fica. E de todos os finais com os quais nunca soube lidar - finais de livros, finais de filmes, finais de relações e o último gole do café - esse final foi o que deixou mais coisas para trás: O final da gente. Ficou um gosto meio amargo na boca e um ardor meio incômodo nos olhos. Ficou uma sobra de amor misturada com uma falta de você que eu simplesmente não consigo fazer descer pelo nó que ficou em minha garganta. Ficou aquela vontade de rastejar até o sofá e dormir até o mês que vem, embalada pelo som da televisão pra evitar que o silêncio me traga a sua voz. Ficou a vontade azeda de pegar o telefone, discar seu número e pedir pra você me ensinar a esquecer o amor no bolso da outra calça antes de sair de casa - porque, veja bem, esse excesso de carinho que ficou está me matando por dentro. Ficou um mar, um céu, um mundo de palavras que eu não disse (nem pretendo dizer) - palavras doces, palavras amargas e palavras que queimam por dentro. Ficou uma confusão de sonhos despedaçados e promessas esquecidas pelo chão, junto daquele colar que eu atirei na parede porque fazia doer meu peito ao tocar minha pele. Ficou um novelo de memórias na mesinha de centro, um silêncio assustador me ensurdecendo e um abismo intransponível entre a gente. Ficou uma verdadeira catástrofe dentro de mim - um desastre não-tão-natural com direito a furacão, terremoto e tempestade de raios. Ficou tudo meio frio, meio cinza, meio vazio, estranho e sem graça. Ficou aquela sensação de quem despenca do céu a 300km/h e, ainda assim, sobrevive - ficou o choque, a dúvida... Você foi e me deixou aqui, tentando entender como eu sobrevivi à queda e quanto tempo vai levar para me acostumar a viver sem tudo que não sobreviveu. Ficou decepção, mas, acima de tudo, ficou tristeza - uma tristeza funda e sufocante. Ficou tristeza porque acabou - é, menina, acabou. Acabou de verdade, acabou pra valer. Acabou no minuto em que você esqueceu o amor no bolso da outra calça. Acabou e ficou tanta, tanta coisa pra varrer, limpar, jogar fora... Tanta coisa que faz doer.

Esse final, menina, está doendo mais que todos os outros.


"And the tears come streaming down your face
When you lose something you can't replace
When you love someone, but it goes to waste
Coud it be worse?"

(Fix You - Coldplay)

1 comentários:

Andrêsa.m disse...

finais são ruins e bons ao mesmo tempo,tudo depende da forma que você enxerga.