segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Carta para alguém distante...


Menina,

Hoje acordei com a garganta e os olhos secos de tanto murmurar seu nome entre lágrimas noite passada. Acordei tremendo de frio e procurando seu abraço no quarto vazio - meu coração também ficou meio vazio quando não o encontrei. Mas tudo bem... Tudo bem, meu amor. A gente já sabia que ia ser assim, não é mesmo? A gente já sabia que a ausência ia machucar e os ponteiros do relógio iam se demorar em cada segundo, querendo eternizar a saudade. Está tudo bem.

Ah, meu bem, hoje o sol demorou a querer se deitar... E eu, que estava me saindo tão bem nessa de me manter ocupada para evitar pensar em você em todos os minutos do meu dia, terminei ali - perdida em meu próprio mundo, sem saber que outra desculpa usar para te manter longe dos meus pensamentos. Quis esperar que a noite me servisse de cobertor antes de deixar meu choro escapar, mas quando menos esperava me peguei soluçando baixinho em plena luz do sol, querendo seu colo e o cheiro da gola da sua camisa. Mas está tudo bem... A gente já sabia que todas as músicas que tocassem no rádio do carro iam trazer lágrimas aos olhos e machucar o coração, certo? Está tudo bem.

Mas, ah, minha menina, meu amor, minha flor... Hoje eu quis você da manhã à noite e em cada esquina pelo meio do caminho. Hoje eu quis o som da sua voz mais que qualquer outra coisa... Seu riso doce, o castanho-dourado dos seus olhos, seu gosto na minha boca e aquela curvinha que seu queixo faz. Então vem cá... Apaga essa distância toda entre a gente, só por hoje, e corre pro meu abraço. Esquece as leis da física, ignora a ordem do universo, vem pra perto de mim. Eu te empresto uma das minhas camisas largas demais pra você, minha pequena, a gente estende um cobertor no meio da rua e se protege do frio nos braços uma da outra, a gente se cobre com sonhos e conta estrelas até a madrugada acabar. Estou te esperando aqui, na porta do quarto... Deixa de ser estrela e vem ser borboleta que eu cansei de te ver brilhar do outro lado do mundo, agora quero é você pousada em meu ombro. Pra sempre.

Com amor,
Sua garota.


"When the evening shadows
And the stars appear
And there's no one there
To dry your tears
I could hold you
For a million years
To make you feel my love..."

(Make you feel my love - Adele)

2 comentários:

Suzi disse...

mas,isso parece aqueles amores impossíveis...tipo, daqueles distantes....

G I L B E R T O disse...

T

Teu texto tira-me o fôlego, mi cherrie ami!

Lê-se... e, lê-se... e, fico com gosto de quero mais na boca!

ainda que minha ausência se apresente de quando em quando, aqui, neste lugar maravilhoso, o meu retorno segue a mesma verdade. Eu sempre volto!

Teu texto me obriga!
Tua poesia me chama!

bom demais sempre vir te ver, T!

Estejas bem nesta noite e em todas as demais!